fbpx

Salles diz que pode reduzir em 40% desmatamento na Amazônia se nações estrangeiras colocarem dinheiro

Salles diz que pode reduzir em 40% desmatamento na Amazônia se nações estrangeiras colocarem dinheiro

Uma nova fase no combate ao desmatamento ilegal na Amazônia começa no dia 1º de maio. É que acaba no fim de abril a Operação Verde Brasil 2, com a saída das Forças Armadas da tarefa de enfrentamento a crimes ambientais na Amazônia.

Vamos dar uma pausa na notícia para anotar que o que será feito a partir de maio deveria ter sido feito desde o primeiro dia de Governo Bolsonaro, mas ele optou por desconstituir as instancias existentes no Ibama e ICMBio de combate ao desmatamento e outras ilegalidades. Agora, tudo volta, por pressão interna mas essencialmente externa, fora do país.

Na fase que nunca deveria ter deixado de existir, Ibama, ICMBio e Polícia Federal com apoio da Força Nacional, Funai e Incra irã cumprir seu papel. Fecho aqui para continuar com a  informação que trata do título da matéria.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, concedeu no inicio de abril entrevista ao Estado de São Paulo, quando admitiu a existência de crescente desmatamento ilegal n Amazônia, e como a missão volta para suas mãos disse que pode reduzir a devastação na região em 40% pelo prazo de 12 meses caso os países estrangeiros, especialmente os Estados Unidos, façam aporte  de 1 bilhão de dólares.

O ministro tem se movimentado para mostrar que há boa relação com países europeus e americanos e setores empresariais diante da pressão que vem sofrendo pela ausência de uma política consistente para a região amazônica, tendo escapado de uma “reforma” ministerial recente.

Sem verba, Salles disse que não se compromete com metas nem percentuais. O ministro insistiu na convicção de que o país tem de ser pago por reduções passadas de emissões de gases de efeito estufa e para cumprir compromissos futuras.

As taxas oficiais de desmatamento observadas nos dois primeiros anos em que esteve à frente do ministério são as maiores desde 2008. A do ano passado foi 47% maior que a observada em 2018.

Ele disse que um plano de combate ao desmatamento será apresentado  aos Estados Unidos no encontro que o presidente Joe Biden vai realizar com 40 líderes internacionais para debater a pauta climática. Sem recursos externos, disse que vai fazer o que for possível, mas sem dar uma estimativa de meta de redução.

O ministro Ricardo Salles disse que entende a cobrança de nações estrangeiras para mitigar os problemas ambientais na Amazônia, “a cobrança delas faz parte,” mas entende que há uma inversão  nessa posição de querer resultados primeiro e recursos depois.

”Por uma razão simples. O Brasil reduziu, e está certificado na UNFCCC (Convenção do Clima da ONU), de 2006 a 2017, 7,8 bilhões de toneladas de carbono. Disso, menos de 1% recebemos a título de Redd (mecanismo de compensação por desmatamento evitado). Se tem alguém que está devendo na frente aquilo que já foi feito… somos nós os credores,” afirmou.

Deixe um comentário

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print