fbpx

Vacinas, pobreza, sequelas da Covid-19: Comissão de vereadores tem muito o que fazer

Vacinas, pobreza, sequelas da Covid-19: Comissão de vereadores tem muito o que fazer

O vereador Fogaça preside a comissão especial.

Vereadores, mexam-se: a prefeitura de Porto Velho precisa fazer mais do que tem feito.

É tradição na capital a Câmara de Vereadores quase nada fiscalizar dos programas, projetos e ações desenvolvidas pela prefeitura de Porto Velho. O que os vereadores muito fazem, em sua maioria, é pedir obras e melhorias em bairros que se constituem sua base eleitoral, e depois de ver materializado o pedido ir ao local para fazer um vídeo, promover o mandato.

É ritual da política, não desconheço, mas fiscalizar exige muito mais, e na verdade o que ocorre é que vereadores da situação evitam criar animosidades com o prefeito, por óbvio, dispensando reconhecer que é uma atitude arriscada nos dias de hoje, em que o eleitor anda com os nervos à flor da pele e muitos passaram a identificar aqueles que querem apenas se dar bem ao lado do poder.

Os da oposição ou não estão preparados para a tarefa ou encenam o teatro da conduta fiscalizatória, não raro até uma conduta leviana, apenas para tirar algum proveito pessoal, apertar o chefe do executivo, no caso o prefeito. Assistimos essa situação a cada legislatura e, para não generalizar, o que sempre é injusto, existem sempre as honrosas e minguadas exceções _ fazem parte deste time vereadores com entendimento de que a política é missão pública que exige entrega, retidão de caráter e conhecimento da realidade da sua cidade, com disposição de colaborar para o bem comum. Eles existem, felizmente.

Para fiscalizar as ações e programas da prefeitura de Porto Velho no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, a Câmara de Vereadores instituiu uma comissão, formada pelo jornalista e vereador Everaldo Fogaça, que irá presidi-la, Gilber Rocha, Isaque Machado, Aleks Palitot e Marcia Socorristas. Vereadores de primeiro mandato ou não, com uma responsabilidade abrangente. Ela foi oficializada com sua publicação no Diário Oficial dos Municípios do dia 1º de abril.

É uma comissão especial, sem prazo para encerrar atividades, e tem outro papel importante, o de acompanhar os impactos sociais e econômicos causados ao município e sua população decorrentes de uma doença que aflige a todos indistintamente, atingidos diretamente pela Covid-19 ou não.

Ela já deveria estar em atividade tão logo começou a pandemia, e se houver dedicação por parte de seus membros há muito por fazer. Podem começar, por exemplo a:

  1. Com a Secretaria Municipal de Saúde identificar as pessoas mais pobres vítimas da Covid-19 e que dela escaparam a ter atendimento adequado para tratar sequelas, que são inúmeras, e passam por insuficiências cardíacas, doenças neurológicas, enfermidades ligadas à circulação e outras; é preciso estabelecer protocolos, indicando local adequado para estes atendimentos;
  2. Chamar o dirigente da Agência de Desenvolvimento de Porto Velho para uma audiência com intuito de saber sobre a compra de 400 mil doses de vacinas, algo relevante ao considerar o tamanho da população, para que entendam este processo de compra e tenhamos a garantia de que haverá uma data para a entrega, e não apenas precipitada manifestação do prefeito de no dia 12 de abril ter um produto que sabemos inexistente nessa data. É preciso acompanhar com lupa a vacinação, e o jeitinho escancarado dos que furam fila deve ser duramente combatido; e
  3. Chamar a área social da prefeitura para uma audiência para saber o que estão fazendo para minimizar o impacto das pessoas impedidas de trabalhar, impacto na vida de famílias que mal tem o que comer ou não tem. O esforço de atendimento e de alguma política que possa reduzir o sofrimento e colaborar com a política federal do auxílio emergencial são para ontem.

São ideias apenas. Estimo que os vereadores possam efetivamente contribuir para, de olho nas políticas implementadas pela gestão do prefeito Hildon Guedes (PSDB), ou identificadas lacunas inaceitáveis, façam por merecer os votos recebidos na eleição. Mexam-se: a prefeitura de Porto Velho precisa fazer mais do que tem feito.

Deixe um comentário

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print